Como planejar uma linha de produção de marmoraria


O foco principal, antes de qualquer ação, deve ser a criação de um projeto que contenha informações sobre a sua estrutura industrial

A marmoraria é uma empresa que possui uma grande peculiaridade, uma vez que reúne três setores em um único negócio (indústria, comércio e serviços). Como se trata de uma empresa de transformação, várias providências devem ser tomadas antes de sua inicialização.

O principal desafio é fazer todos os setores da empresa se alinharem e promoverem o resultado final, sem muitas dificuldades. Uma das áreas mais problemáticas é a da indústria.

A industrialização das peças vendidas (pias, lavatórios, pisos, soleiras, entre outros) é a parte mais demorada e mais cara de todo o processo e, muitas vezes, também é o local onde ocorrem os maiores desperdícios, danos à saúde e ao meio ambiente.

Na implantação de uma marmoraria, o foco principal, antes de qualquer ação, deve ser a criação de um projeto que contenha informações sobre a sua estrutura industrial, pois é uma área que receberá 80% dos investimentos. A contratação de um consultor especializado, na fase inicial do projeto, é a conduta mais recomendada.  

Infelizmente, 98% das marmorarias no Brasil e em outros lugares do mundo são criadas sem dar à devida atenção ao setor produtivo, causando um acréscimo de problemas durante o processo, aumentando o custo em até 500%, diminuindo a produtividade, causando problemas ambientais e de saúde aos seus colaboradores, e com um índice enorme de perda de materiais e insumos.

Mas como deveria ser uma produção de marmoraria?

1) Em linha de produção;

2) Com o máximo de máquinas e equipamentos possíveis para facilitar e baratear o processo;

 3) Com um bom sistema transportador de chapas e peças acabadas;

 4) Com um bom sistema de reciclagem de água;

 5) Com uma gestão eficiente de manutenção (semanal, mensal, trimestral, anual, etc.);

6) Montado em um layout que ajude o processo produtivo, estocagem e organização.

Toda marmoraria deveria ser igual?

Obviamente que não. O setor é dividido em vários segmentos, em que será necessário criar um modelo para cada segmento de atuação escolhido, por exemplo:

a) Construção Civil (obras grandes) – Será necessário criar um layout e uma gama de máquinas mais direcionadas aos acabamentos retos e com maior produtividade;

b) Consumidor Final (a essência da marmoraria) – Será necessário criar um layout e uma gama de máquinas especializadas em acabamentos finos e artesanais;

c) Redes Comerciais (materiais de construção, entre outras) – Essa seguirá também uma linha de máquinas mais produtivas.

Além dessas, será possível criar outras configurações de acordo com o segmento que deseja atender. Vale lembrar que um dos segredos do sucesso de uma marmoraria é a especialização em um dos segmentos.

Qual é a melhor configuração para uma marmoraria padrão?

1) Terreno retangular comprido;

2) Galpão cobrindo toda a área industrial, com pé direito superior a 4 metros;

3) Sistema transportador de chapas e peças prontas (Geralmente, uma ponte rolante, porém, existem várias opções mais econômicas);

4) Piso interno do galpão, industrial e regularizado;

5) Instalações elétricas, pneumáticas e alimentação de água para as máquinas via aérea;

6) Sistema completo de reciclagem de água (com decantação e filtro);

7) Máquinas e equipamentos necessários:

a. Cortadeira de chapas (existem várias configurações para esse item);

b. Furadeira ou boca de pia;

c. Rebaixo Italiano;

d. Meia esquadria;

e. Polibordas;

 f. Serra mármore (maquita); esmerilhadeira, lixadeira e polideira (Conforme a legislação brasileira, são exigidas que todas essas máquinas sejam utilizadas à úmido, evitando a poeira sílica). O que diz a lei? A portaria nº 43, de 11 de março de 2008, do Ministério do Trabalho e Emprego, proíbe máquinas que cortam ou façam acabamento de pedra a seco. Todas devem ter água acoplada;

8) Pátio de estocagem de chapas, peças cortadas à espera de acabamento e peças prontas para a entrega;

9) Escritórios administrativos, showroom e dependências para funcionários (banheiros, armários, área de alimentação e de descanso).

Muitas vezes, é aconselhável que o showroom e os escritórios de atendimento e de vendas sejam separados da indústria.

Para que serve a linha de produção?

A instalação das máquinas em linha permite uma economia de tempo no processo produtivo e provoca um ganho de produtividade de até 40%. Vários fatores são observados quando implantamos uma linha de produção industrial, como o melhor aproveitamento do espaço, menor perda de material e insumos no processo, maior facilidade da manutenção, entre outros. A observância das boas práticas na área industrial é um grande beneficio para o negócio e a natureza agradece.

É notório que o setor de marmorarias vem, há muitos anos, se adequando às normas impostas pela legislação, mas ainda está distante de uma boa apresentação do seu pátio industrial, com estruturas muitas vezes insatisfatórias para execução dos serviços.

 

Sérgio Roberto Calheira Miranda é consultor de marmorarias e atua no setor há 40 anos.

Sérgio R. C. Miranda Consultoria e Software

Site: www.sergiorcmiranda.com.br

E-mail: vendas@sergiorcmiranda.com.br 

Telefones: (27) 3082-5678 e WhatsApp (27) 99966-3700




FALE COM A REVISTA ROCHAS


Revista Rochas de Qualidade

EMC Editores Associados Ltda

Rua Aleixo Netto, 322 - Sala 703

Santa Lúcia, Vitória - Espírito Santo

CEP: 29056-100

Telefone: +55 27 3227 2772

 



Todos os direitos reservados a Revista Rochas | 2017

Conceitos e declarações emitidos por entrevistados e colaboradores não refletem, necessariamente, a opinião desta revista e de seus editores. “Rochas de Qualidade” não se responsabiliza pelos conteúdos de anúncios e informes publicitários. Nenhuma parte desta publicação pode ser em qualquer forma sem a expressa autorização da EMC-Editores Associados Ltda. Todos os direitos são reservados. Registrada no INPI e matriculada de acordo com a Lei de Imprensa. Não publica matérias redacionais pagas.