Nos últimos cinco anos, o Ceará deu um grande salto no setor de rochas ornamentais e atraiu muitas empresas, entre elas as maiores exportadoras do país. E grande parte desse crescimento se deve à realização da Fortaleza Brazil Stone Fair, que chegou este ano à sua quinta edição, reunindo em um mesmo espaço as principais novidades em materiais, insumos e equipamentos, além de programação repleta de conteúdo específico para o setor.

Entre os últimos dias 05 e 07 de novembro, mármores, granitos, quartzitos, limestones, pedras laminadas, máquinas, equipamentos e insumos para a cadeia produtiva das rochas ornamentais estavam em destaque nos estandes do Centro de Eventos do Ceará. Ano a ano, o evento busca aumentar a sinergia do setor com os profissionais de arquitetura,
design de interiores e decoração, e insere-se em uma estratégia de valorização dos produtos naturais – que possuem melhor avaliação do ciclo de vida e, portanto, são mais sustentáveis.

SIMPÓSIO

Além de ser um espaço para exposição de produtos e prospecção de negócios entre fornecedores e compradores de toda a cadeia de rochas ornamentais, a Fortaleza Brazil Stone Fair 2019 também contou com uma programação paralela repleta de conteúdo
específico para o setor.

Uma das iniciativas foi a realização do X Simpósio de Rochas Ornamentais do Nordeste (SRONE), organizado pelo Centro de Tecnologia Mineral (Cetem/MCTIC) e pelo Sindicato
da Indústria de Mármores e Granitos do Estado do Ceará (Simagran-CE). O encontro é um dos mais importantes do Brasil e a décima edição reuniu cerca de 100 participantes,
entre pesquisadores, profissionais, empresários e estudantes ligados ao setor de rochas ornamentais.

Durante o simpósio, que teve como objetivos principais a discussão e a troca de conhecimentos sobre os principais desafios do setor, foram apresentadas três palestras, 70 trabalhos nas sessões técnicas e duas mesas redondas. Entre os palestrantes, estavam nomes como Manfred Haut, que falou sobre a indústria 4.0 no beneficiamento de rochas ornamentais; Maria Heloisa Barros de Oliveira, que falou sobre a caracterização e conservação das rochas; e Carlos Maurício Fontes Vieira, que fez uma apresentação sobre
aproveitamento de resíduos.

Já os colaboradores do Cetem foram responsáveis por 22 apresentações em pôsteres e seis apresentações orais falando sobre inovação em processos e ensaios, e também sobre aproveitamento de resíduos.

Todos os projetos foram desenvolvidos em parceria com empresas e instituições nacionais e internacionais.

HOMENAGENS

Para completar a programação, a organização também homenageou, durante a solenidade de abertura da feira, dois importantes nomes da história do setor de rochas ornamentais no Ceará: os senhores Enrico Guarneri (in memorian) e Marcolino Dapaz. Enrico Guarneri, que foi pioneiro na produção dos famosos materiais Aurora Pérola, Aurora Veiado e Jacarandá, foi representado pelo empresário Igor Vale. Guarneri também foi quem levou, em 1946, o italiano Jean Marcovaldi para o Brasil e, sem sua luta, sem dúvidas o setor não seria o que é hoje.

Já Marcolino Dapaz foi representado pelo seu neto, Fernando Dapaz, que hoje, ao lado do seu pai, está à frente da Dapaz Marbles fundada por Marcolino. O empresário teve grande importância para o desenvolvimento do setor de rochas ornamentais no Brasil e é outro nome importante para a história do segmento.

FÓRUM

Ainda na programação da Fortaleza Brazil Stone Fair estava a segunda edição do Fórum do Instituto Brasileiro das Rochas Ornamentais (Ibro), cujo tema este ano foi Pensando o Setor em 2068. Entre os debatedores participantes estavam profissionais de renome nacional e internacional como o alemão Peter Becker, da Stone-Ideas.com; o professor doutor Pedro Amaral, da Universidade de Lisboa; e Xisto Medeiros, que é engenheiro civil e proprietário da Veneza Engenharia.

Os palestrantes trouxeram reflexões aos empresários brasileiros sobre como aumentar a demanda qualificada das pedras naturais.

EXPOSITORES

Acompanhando o crescimento do mercado de rochas ornamentais do Ceará e a crescente evolução da Fortaleza Brazil Stone Fair, as empresas do setor aproveitaram o evento para apresentar seus materiais e fechar negócios e parcerias com os visitantes. Entre os expositores estava a indústria cearense Imarf, que tem experiência de mais de 37 anos no mercado e está sempre buscando fazer a diferença em grandes projetos no Brasil e no mundo.

Em destaque no stand da empresa estavam dois lançamentos: o quartzito Bacarat e o granito Silver Galaxy. Além disso, eles também apresentaram os granitos Casa Blanca, Black Space, Negresco, White Sand, Red Dragon, Green Galaxy, White Savannah, Verde Light, Branco Ceará e Branco Cotton; os quarzitos Elegance, Malbec, Blue Tahoe e Platinum; e as limestones Mont Charmot, Blue Marine e Catalunia. De acordo com Tasso Aragão, que é diretor de exportação da Imarf, a Fortaleza Brazil Stone Fair é um momento oportuno para prospectar negócios, firmar parcerias e mostrar os produtos para profissionais do setor. “A feira é muito importante para dar visibilidade ao nosso estado do Ceará, já que as melhores pedreiras do Brasil estão aqui”, ressaltou.

Outra empresa que marcou presença na quinta edição da feira cearense foi a Vermont Mineração, que aproveitou para expor 16 materiais entre granitos, quartzitos e traquitos em seu stand, sendo dois extraídos da Bahia e outros 14 extraídos no Ceará. No piso do espaço foi utilizado o Negresco, com bordas polidas e centro escovado.

Já o Taj Mahal foi exposto em um painel, com vários recortes em diferentes formas. Outros materiais em destaque no stand foram o Blue Roma, Blue Deep, Blue Mare, Brazilian Black, Brazilian Gray, Brazilian Fossil, Del Mare, Duetto, Infinity, Illuson, Mapa Mundi, Neoan, Roma Imperiale e Tartaruga.

Cássio Jefferson, gerente administrativo da Vermont Mineração, explica que essa é a segunda participação deles na feira. “Participamos do primeiro ano do evento em 2015 e retornamos em 2019, pois percebemos a importância do evento para o setor no estado do Ceará. Foi uma participação muito satisfatória, tivemos a oportunidade de mostrar nossa grandeza e magnitude no setor, além de firmar parcerias e fechar novos negócios”, pontuou.

Com história de mais de 50 anos na extração e beneficiamento de rochas ornamentais, a empresa cachoeirense Marbrasa também participou como expositora da Fortaleza Brazil Stone Fair. Entre os destaques no stand – com projeto desenvolvido pelo arquiteto Lucas Pianes – estava o granito Preto São Gabriel, que foi apresentado com dois novos acabamentos diferenciados e muito elogiado pelos arquitetos e designers que visitaram o espaço. Além disso, a empresa também apresentou o mármore Crystal Ice, o Branco Cachoeiro e o quartzito Gaya.

Há 24 anos no mercado de rochas ornamentais e atuando especificamente na comercialização de blocos de jazidas próprias, a Quartzblue esteve presente na feira cearense, onde apresentou as novidades da linha 2019: os quartzitos Guara e Waya, lançados recentemente. Além disso, outros materiais em destaque no stand da empresa foram o quartzito Perla Venata, o Branco Ipanema e o Preto São Gabriel. Responsável pelo setor de vendas internacionais da empresa, Barbara Secchin ressalta que o Ceará se consolidou nos últimos anos como um dos maiores produtores de quartzitos e rochas ornamentais exclusivas do mundo. “Neste cenário, a Fortaleza Brazil Stone Fair se fortalece tanto em número de visitantes, como de empresas que querem estar presentes nessa vitrine. Na edição deste ano pudemos observar um bom número de clientes, arquitetos e designers do mercado brasileiro, bem como importantes clientes de blocos para exportação – todos interessados no diferencial e variedade dos quartzitos do Brasil”, pontuou.

Já a Decolores apresentou a Lusso Quartzite Collection – uma linha de quartzitos de alto padrão. Os materiais que tiveram destaque no stand foram: Mont Blanc, Bronzite Rústico, Bronzite Escovado e Ijen Blue, que se diferenciam pela beleza singular no segmento de rochas ornamentais. Além desses materiais, outros quartzitos dessa mesma linha também estavam disponíveis para o público da feira conhecer. Arquitetos, marmoristas e distribuidores conferiram de perto o Lucent, Leblon, Bianco Laura, Atlantis, Sky Gold e Meridian. “Foi uma experiência muito positiva para a equipe Decolores.

Recebemos em nosso stand vários marmoristas e parceiros regionais, bem com um grande número de arquitetos e designers que se surpreenderam com a exuberância dos quartzitos que compõem a Lusso Quartzite Collection. Podemos dizer que a Fortaleza Brazil Stone Fair foi mais uma porta para grandes negócios no segmento de rochas ornamentais”, ressaltou Uberlan Admiral, coordenador comercial da Decolores.

Especializada em insumos para marmoraria, a Help Comércio também participou da Fortaleza Brazil Stone Fair e aproveitou para dar destaque aos produtos para impermeabilização, incluindo marcas como a Cobral e a Bellinzoni. O stand da Help na feira cearense chamava a atenção por conta de um aquário, que serviu para mostrar aos visitantes como os produtos agem na proteção das pedras. “A Fortaleza Brazil Stone Fair se consolida a cada ano e é cada vez mais importante para o setor de rochas ornamentais da região e de todo o país. Para nós da Help Comércio foi um evento muito proveitoso, tivemos a oportunidade de ampliar os nossos contatos e fechar bons negócios”, destacou Antônio Hoverly Rodrigues de Andrade, sócio gerente da empresa.

Representando as empresas de rochas ornamentais associadas e com o objetivo de fomentar as exportações do setor, o Centro Brasileiro dos Exportadores de Rochas Ornamentais (Centrorochas) também esteve presente com um stand na feira cearense.

Estiveram no evento o presidente da entidade, Frederico Robison, e a superintendente Alessandra Bertolani. “Em 2015, um ano antes da primeira edição da Fortaleza Brasil Stone Fair, o Ceará ocupava a quarta posição entre os maiores estados brasileiros exportadores de rochas ornamentais. A partir de 2016, o estado se manteve firme na terceira posição entre os maiores exportadores do país.

A quinta edição da feira demonstrou todo o potencial da região e permitiu a aproximação de várias possibilidades de mercado junto aos empresários. A expectativa para este ano é que o Ceará, mais uma vez, mantenha sua posição entre os estados exportadores.

De janeiro a outubro, o estado exportou US$ 19,7 milhões, sendo 80% rochas manufaturas e 20% de brutas. Segundo dados do BI Centrorochas, a projeção é que eles fechem 2019 com US$ 20 milhões de receita referente as exportações de rochas ornamentais”, destacou o presidente da entidade.

O SETOR NO CEARÁ

De cinco anos para cá, o Ceará cresceu muito no setor de rochas ornamentais e atraiu muitas empresas. A maior parte delas está concentrada no Noroeste do estado, em cidades como Massapê, Uruoca, Granja, Viçosa do Ceará, Santana do Aracaú, Santa Quitéria e Irauçuba, além das regiões de Banabuiú, Mombaça, Cariús, Aiuba e Independência.

Somente nos últimos 24 meses, as empresas já investiram cerca de R$ 650 milhões em pesquisas, lavra e industrialização no estado do Ceará e isso, de acordo com a organização da Fortaleza Brazil Stone Fair, terá um reflexo muito importante nos resultados do segmento nos próximos três anos.

Em 2015, o Ceará tinha cerca de 14 empresas envolvidas na pesquisa e extração de rochas ornamentais, número que saltou para 55 este ano. As exportações em 2014 correspondiam a US$ 16,1 milhões e em 2018 foram US$ 28,1 milhões exportados, o que demonstra a força crescente do estado no setor. Entre as pedras naturais que são extraídas em solo cearense e mais fazem sucesso no mundo estão os quartzitos Taj Mahal, Perla Venata, Perla Santana, Matira, Avohai, Elegance, Madrepérola, Nacarado, Cosmopolitan e Midnight Cristal; os cristais como o Cristalo Pink, Amethiste e o Ônix Vision; além de diversos granitos superexóticos, como Wood Stone, Palomino, Blue Mare, Roma Imperiali e Elegant Brown. É importante lembrar que a região já começa a produzir os seus primeiros mármores, entre eles o San Pellegrino, Copperblue e o Karius.

O setor de rochas ornamentais é um dos qualificados como prioritários para instalação de indústrias na ZPE-Pecém. Existem cerca de 20 manifestações de interesse, dos quais aproximadamente cinco já estão em fase de modelagem. Caso este processo evolua, a expectativa é que, até 2023, o setor no estado do Ceará estará exportando cerca de US$ 200 milhões por ano. “Para atingirmos estes números é fundamental que os agentes institucionais como a Agência Nacional de Mineração, a Semace e as prefeituras exerçam as suas funções com eficiência”, afirma Carlos Rubens Alencar, presidente do Sindicato da Indústria Mármores Granitos do Estado do Ceará (Simagran).