Empresário com mais de 30 anos de experiência no setor é o novo presidente do Sindirochas-ES

Diante do desafio de assumir o cargo de liderança de uma das entidades de maior representatividade do Brasil, o empresário Ed Martins André foi recentemente empossado como novo presidente do Sindirochas-ES. O sindicato abrange todas as indústrias do segmento instaladas no Espírito Santo, maior Estado produtor e exportador de rochas ornamentais do país.

Proprietário da Angramar Granitos e Mármores, localizada em Cachoeiro de Itapemirim, o gestor possui mais de 30 anos de relação próxima com o setor de rochas ornamentais, bagagem que o permite conhecer de perto os principais gargalos e oportunidades de crescimento do segmento.

Ed também possui expertise de atuação no conselho do Sindirochas por vários anos, somada à experiência adquirida no cargo de Diretor Regional Centro-Sul da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), assumido no ano passado.

Entre as demandas da nova gestão, o novo presidente destaca o desafio de aumentar a representatividade do sindicato, firmar novas parcerias com prestadores de serviço, encontrar soluções ágeis quanto às dificuldades com logística e desenvolver ações rigorosas de promoção à segurança no trabalho.

Confira a entrevista completa.

COMO SURGIU SUA RELAÇÃO COM O SETOR DE ROCHAS?

Minha relação com o setor de rochas começou há mais de três décadas, quando eu atuava como despachante de veículos, atendendo empresas do segmento. O dinamismo do setor e empenho dos empresários chamou minha atenção e vi que poderia ser um caminho interessante para investir. Reuni meus irmãos e nós, com apoio dos nossos pais, iniciamos nossa participação no segmento com a criação da Angramar Granitos e Mármores. Nossa empresa está há quase 30 anos no mercado e tem atuação no mercado nacional e internacional. 

QUAIS SÃO OS DESAFIOS DE ASSUMIR A PRESIDÊNCIA DE UM DOS SINDICATOS DE MAIOR REPRESENTATIVIDADE DO PAÍS?

Ao mesmo tempo que fico um pouco apreensivo quando paro para pensar que estou sucedendo vários presidentes, entre eles o Tales que fez um excelente trabalho à frente da entidade, isso também é fonte de motivação e serve de impulso para fazer um bom trabalho e manter o nível de entregas feitas pelo Sindirochas ao longo desses anos. Estou determinado, com muita vontade e disposição para trabalhar para o setor de rochas ornamentais capixaba e, consequentemente, de nosso país.

QUAIS AS PRINCIPAIS PARCERIAS QUE DESEJA FIRMAR?

Quero manter as parcerias existentes e abrir mais caminhos em todos os órgãos nos quais temos relacionamento. Precisamos preservar essa proximidade e buscar soluções efetivas e ágeis. Um dos nossos pontos de atenção é trazer velocidade nas respostas. Vamos ainda buscar parcerias com empresas prestadoras de serviço, que possam oferecer melhorias e benefícios aos associados, além disso, vamos agregar novos serviços dentre os já oferecidos pela entidade como forma de atrair novos membros para o grupo. 

QUAIS SÃO OS MAIORES GARGALOS QUE O MERCADO DE ROCHAS NATURAIS DO ESPÍRITO SANTO ENFRENTA?

Atualmente, o setor tem sofrido muito com a logística, principalmente com relação à falta de contêineres e navios para embarque de materiais para o exterior. Esse problema é mundial, mas temos trabalhado arduamente nesta pauta, inclusive nos unindo a outros segmentos que têm enfrentado a mesma questão, como o do café, e lideranças governamentais. Buscamos formas de amenizar e descobrir soluções no que compete à atuação estadual e governamental. O setor tem vivido um período de ampliação de suas exportações e vendas, o que nos leva a ficar bastante apreensivos com tudo o que está acontecendo.

Outro ponto importante que tem nossa atenção é o desenvolvimento de ações para diminuir o número de acidentes nas empresas. Temos uma preocupação constante com a segurança dos nossos trabalhadores. Está em desenvolvimento um diagnóstico dessas incidências no setor para que nós, junto ao Ministério do Trabalho, Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) e Sindimármore, possamos apresentar soluções. É importante frisar que o Sindirochas trabalha e reconhece que soluções envolvem tanto empregadores, quanto empregados. Um na conscientização e disponibilização de equipamentos e adequação dos processos produtivos; o outro sendo sensível a essas informações, observação aos procedimentos e utilização dos EPI’s.

QUAIS MUDANÇAS PRETENDE PROPOR EM SUA GESTÃO?

Um dos pontos de atenção é aumentar a representatividade do Sindirochas, trazendo empresas que hoje não fazem parte e desmistificar a imagem de que o sindicato está vinculado apenas a Cachoeiro de Itapemirim, à região Sul. Nós temos hoje empresas em todo o Espírito Santo e precisamos agregar mais pessoas e novas ideias. O aumento da representatividade fortalece a entidade, mas mais do que isso, fortalece o setor como um todo. Aproveito o espaço para convidar a todos os empresários tanto do segmento de rochas, quanto de moagem (cal e calcário) que não são associados para virem conhecer nosso trabalho. Fica aqui o convite para todas as empresas, associadas ou não, dos mais distintos portes e atuações dentro do arranjo produtivo, a participarem das nossas reuniões de conselho. Acredito que esta aproximação os ajudará a entender melhor o sindicato e como é feito todo o trabalho.

Ainda está no radar a manutenção do forte elo firmado entre as entidades do setor de rochas. Cada uma tem sua identidade e continuará seu trabalho de forma específica. O Centrorochas, por exemplo, nas questões a nível nacional e internacional, além da condução do convênio firmado com a Apex-Brasil, o It’s Natural – Brazilian Natural Stone; o Cetemag, na área de tecnologia; a Rochativa, na área social; o Credirochas, como braço financeiro criado no segmento e que hoje alcança outros setores; e o Sindirochas, com essa visão focada no Espírito Santo, mas atuando nas esferas cujas ações tenham impacto direto e/ou indireto nas nossas atividades. Também preciso destacar a importância da proximidade e apoio de empresários e representantes de entidades representativas do setor nos Estados de Minas Gerais, Ceará e Rio de Janeiro. Eu gostaria de frisar um pouco mais sobre o trabalho feito pela Rochativa, como falei, é o braço social do segmento que executa um excelente trabalho e necessita do apoio das empresas e empresários. Essa troca é essencial. Por meio dela, o setor pode retribuir para a sociedade tudo aquilo que tem conquistado. 

QUAL MENSAGEM DESEJA PASSAR PARA O ASSOCIADO? QUAIS AS VANTAGENS PARA AQUELES QUE SE TORNAREM UM FILIADO?

Quero frisar para cada associado sobre a sua importância. Quero que cada um tenha claro em sua mente que, realmente, juntos somos mais fortes. No geral, os problemas que afligem um empresário são comuns à maioria no setor. Estando juntos, a busca por soluções fica muito mais fácil.

Temos tido alguns ganhos importantes, como ações coletivas que beneficiam os associados. Além desta, as empresas filiadas ao Sindirochas têm acesso a outras vantagens, como possibilidade de realizar consultas às nossas assessorias jurídicas que atuam nas áreas trabalhista, tributária, ambiental e mineral, maior desconto em diversas atividades do Sesi/Senai, descontos com prestadores de serviços das mais distintas áreas, como saúde, educação, dentre outras. O sindicato oferece ainda cursos e treinamentos voltados a profissionais do setor e abertos à participação de toda comunidade. 

COMO A ROTINA DE EMPRESÁRIO DO SETOR CONTRIBUI PARA AS AÇÕES DO SINDIROCHAS E PARA TODA A CADEIA PRODUTIVA?

Essa rotina de empresário é muito importante, pois dá uma percepção clara das dores do segmento. A atuação no Sindirochas possibilita apresentar esses pontos de maneira mais consistente e impactar toda a cadeia. Falo impactar não apenas no sentido do setor de rochas como, por exemplo, vendedor de chapas de rochas ornamentais ou cal e calcário, mas todo um arranjo produtivo que envolve metalmecânica, uma grande cadeia de fornecedores e de prestadores de serviços que fazem parte do relacionamento diário; acrescento ainda a relação imprescindível do segmento com os especificadores, profissionais de comunicação que contribuem para disseminar nossos produtos; os eventos que acontecem, como as feiras, todos esses atores que contribuem para gerar demanda são de suma importância para o desenvolvimento do nosso setor. 

COMO O SETOR LIDOU COM O IMPACTO DA PANDEMIA? QUAL SUA EXPECTATIVA PARA OS PRÓXIMOS ANOS?

O setor lidou com muita responsabilidade e competência. Com apoio da Findes, que orientou e contribuiu com as atualizações quase que diárias, seguimos rigorosamente os protocolos de segurança da saúde estabelecidos e tivemos baixo índice de contaminação nas indústrias. Passamos por momentos difíceis, claro, mas não houve registro de paralisação das atividades industriais do nosso segmento no Estado. O lockdown decretado em alguns países afetou diretamente a área comercial, mas nada que impactasse tanto quanto em outros setores. O crescimento das demandas veio bem antes do que esperávamos, por conta da alta procura devido à injeção de recursos na economia e aquecimento da construção civil. Temos uma boa expectativa para os próximos anos de manter essa alta, tanto no mercado nacional, quanto internacional. Acredito que se não aparecer nada para nos surpreender, teremos ainda alguns anos com demanda elevada e isso é bom, tanto para o setor, quanto para os colaboradores, fornecedores, enfim, promove toda a cadeia produtiva que se beneficia desse crescimento. 

O QUE PRETENDE DEIXAR COMO LEGADO NA SUA GESTÃO?

Quero deixar entregas relevantes que mostrem ao empresário todo o trabalho desempenhado durante a gestão; deixar o sindicato em equilíbrio financeiro com toda lisura que sempre pautou os gestores que o conduziram e, claro, quero encerrar meu mandato com um número maior de filiados, e que esses novos associados, juntos aos demais, tenham uma percepção favorável de todas as ações realizadas.