Peças que contam histórias e memórias, materiais fora do uso habitual e rochas naturais, em suas mais variadas aplicações e texturas fazem parte da rotina do escritório do arquiteto Michael Zanghelini. Após sua estreia na Casacor SC em 2019, os projetos do catarinense ganharam visibilidade e conquistaram clientes especialmente na região de Florianópolis e Balneário Camboriú.

CasaCor Santa Catarina 2019 – Foto Lio Simas

“Atualmente tenho gostado dos materiais dolomíticos pela versatilidade e a possibilidade de escovar e deixar os veios bem aparentes. Também gosto muito dos quartzitos e de qualquer rocha exótica que possa dar um ar exclusivo e natural aos projetos”, conta Zanghelini.

Ao escolher a rocha que vai aplicar em suas obras, o arquiteto destaca que procura sair um pouco do usual e busca materiais que muitas vezes são deixados de lado por estarem com alguma quebra, ou por possuírem movimentos de veios mais desconexos.

CasaCor Santa Catarina 2020 – Foto Lio Simas

“Tento sempre olhar materiais que estão fora das escolhas comuns. Gosto muito de rochas quebradas, rochas que carregam história e veios aleatórios. Nos projetos do escritório sempre há uma mescla de materiais que se compõem tanto nas texturas quanto no valor agregado das peças, fazendo um estilo high low” , destaca o arquiteto.

Os acabamentos também são escolhidos com olhar apurado visando evidenciar a naturalidade dos materiais.

“Gosto de usar no mesmo ambiente um único tipo de rocha com vários acabamentos para gerar contrastes de texturas. Nos meus projetos, prezo tanto pela qualidade do material quanto pela expertise da empresa que está fazendo o processamento e instalação, penso que esse conjunto leva a um bom resultado final dos projetos”, conta Zanghelini.

CasaCor Santa Catarina 2020 – Foto Lio Simas

Entre seus projetos de destaque, o arquiteto conta com três ambientes assinados para a Casacor SC (2019, 20 e 21), todos com detalhes especiais em rochas naturais e aspectos que remetem a sustentabilidade e a relação direta da arquitetura, bem estar e meio ambiente.

Em sua primeira participação na mostra, em 2019, o arquiteto assinou junto às designers de interiores da Aje Decor, o Quarto Entre Fases. No ambiente os profissionais aplicaram o mármore Michelangelo Calacatta na lareira e no painel de tv. As chapas contavam com algumas quebras, que foram complementadas com espelhos, conferindo aspecto surpreendente ao espaço.

CasaCor Santa Catarina 2019 – Foto Lio Simas

No ano seguinte, no ambiente Casa Freijó, o arquiteto aplicou duas chapas inteiras do mármore Venatta D’oro no painel da sala e o mármore White Dolomite na ilha e na mesa de apoio. O mármore Macchia Vecchia foi aplicado na mesa de jantar, e mesmo quebrado deu todo charme e sofisticação ao ambiente. A mesma mesa ainda contou com detalhes em Verde Alpi na base.

Na última edição da Casacor SC, em 2021, Zanghelini assinou Loft Naturalle, ambiente que, segundo ele, foi o projeto em que mais ousou e até hoje foi a composição mais vista e compartilhada em suas redes sociais.

“Fizemos uma mescla grande de materiais e tivemos a oportunidade de contar com empresas fantásticas no fornecimento e execução: a Ornamentto Pedras e Superfícies e a Terrazzo Mármores e Granitos. Usamos materiais com vários remendos e vários processos que resultaram em uma combinação incrível, valorizando a execução e a mão-de-obra”, conta o arquiteto.

CasaCor Santa Catarina 2021 – Foto Lio Simas

Seja em ambientes residenciais, comerciais, ou mostras de design e arquitetura, o profissional aposta no equilíbrio de estilos e busca valorizar os espaços para surpreender seus clientes com o que a natureza pode oferecer de melhor: as sensações de aconchego e bem estar.

CasaCor Santa Catarina 2021- Foto Lio Simas

“Acredito que as rochas trazem uma ancestralidade muito grande ao projeto, por carregarem muito da história do mundo, por isso busco sempre priorizar materiais que colaborem de forma sensorial e afetiva nas nossas criações”, finaliza Zanghelini.

Em uma frase

O melhor projeto da sua carreira foi… um que está acontecendo no momento, a Casa da Camboa.

Seu livro de cabeceira é… não tenho um fixo, acho que as ideias e os pontos de vista podem ser revistos a todo momento.

Nos seus projetos não pode faltar… material natural e organicidade.

Uma rocha ornamental…hoje meu coração está derretido pela Black & White.

Um tipo de acabamento para rochas… escovado, com relevos dos veios bem aparentes.

O que ou quem te inspira? A natureza, e como tudo nela é perfeito e singular.

Uma dica para quem está começando é… ouvir a intuição, trabalhar duro e apresentar ideias que sejam únicas, mas possam realmente ser executadas.

Michael Zanghelini Arquitetura
R. Fúlvio Aducci, 627, CEU Empresarial,
Sala 105, Estreito, Florianópolis (SC)
@michaelzanghelini